Notícias

25 de outubro de 2017

Câncer de Pele: Melanoma

O melanoma é o tipo de câncer de pele mais perigoso e o número de novos casos vem aumentando assustadoramente pelos últimos 40 anos. O principal fator que o torna mais perigoso que outros tipos de cânceres é a capacidade que o tumor tem de invadir qualquer órgão, inclusive o coração e o cérebro, espalhando as células cancerígenas em um processo chamado metástase.

 

O melanoma no Brasil

Pinta humana que pode indicar melanoma | Câncer de Pele: Melanoma

Todos os anos, o Brasil registra em média 5.560 casos de melanoma e 1.500 óbitos pela doença, segundo dados do INCA, o Instituto Nacional do Câncer. Apesar de o câncer de pele ser o mais frequente por aqui, representando cerca de 30% dos tumores malignos registrados no Brasil, o melanoma representa apenas 3% das neoplasias malignas do órgão.

O resultado do tratamento do melanoma é considerado bom, quando a doença é detectada nos estágios iniciais. Não foram só os casos da doença que avançaram nos últimos anos, o tratamento e a sobrevida dos pacientes também melhoraram consideravelmente.

O melanoma é mais comum nos adultos, mas também pode acontecer em crianças e adolescentes. O tumor atinge também mais homens do que mulheres e em mais pessoas de pele branca do que negra.

 

A doença

Mulher com marca de queimadura de sol | Câncer de Pele: MelanomaO câncer de pele do tipo melanoma é caracterizado pela formação de células malignas a partir dos melanócitos, que são as células que dão cor a nossa pele. Diferente do que se acredita, o melanoma pode ocorrer em qualquer lugar do corpo, até nas mucosas orais e genitais e não apenas em lugares que são expostos ao Sol.

Pintas ou sinais incomuns na pele, exposição ao Sol e histórico familiar da doença são fatores que aumentam o risco da doença. Se as pintas e os sinais se transformarem, pode indicar uma transformação em melanoma, por isso é sempre importante estar atento.

 

O diagnóstico do melanoma

Como explica o dermatologista da Proattiva, Dr. Thales de Azevedo, o diagnóstico é feito por exames dermatológicos que avaliam as pintas e os sinais presentes na pele, como a dermatoscopia, que faz um mapeamento corporal total do corpo. O diagnóstico definitivo é dado pelo exame histopatológico da biópsia da pele. Assim que o melanoma for diagnosticado, é preciso realizar outros testes para descobrir se as células se espalharam para outros órgãos.

Esse processo, para descobrir se as células malignas se espalharam, se chama estadiamento, e é com ele que é definido o estágio da doença em 0, I, II, III ou IV – quanto menor o número, maior as chances de cura.

 

O Tratamento

O tratamento do melanoma é feito por meio de cirurgias, mas podem ser necessários outros procedimentos além da cirurgia como quimioterapia, radioterapia, imunoterapia e terapia alvo.

Alguns fatores que influenciam muito no tratamento são:

  • A espessura do tumor
  • O local onde ele está
  • Quanto o câncer já afetou os linfonodos
  • O número de órgãos infectados
  • O nível de LDH no sangue
  • A idade do paciente e o seu estado de saúde

 

A Prevenção

Mulher passando protetor solar no ombro | Câncer de Pele: MelanomaSim, o sol é o principal vilão da nossa pele e, por isso, precisamos ter muito cuidado com ele, usando sempre protetores solares fator 30 ou maior e evitando a exposição direta entre as dez da manhã e as 4 da tarde.

Caso não seja possível, sempre tente ficar na sombra, até em dias nublados, porque os raios UV continuam presentes e oferecem riscos. Quando precisar ficar sob o Sol, prefira roupas compridas, chapéus e óculos escuros.

Outro ponto importante é o monitoramento do seu corpo, fique atento às pintas e aos sinais que a sua pele apresenta e procure um dermatologista quando notar algo fora do comum.

 

Outros tipos de câncer de pele

O tipo mais comum – e de menor gravidade – do câncer de pele é o carcinoma basocelular, que é responsável pela grande maioria dos casos registrados. O principal sintoma é o crescimento lento de uma mancha rosa na pele.

O carcinoma espinocelular é o segundo tipo mais comum e aparece no formato de um nó, de rápido crescimento, com uma casquinha.

A prevenção segue as mesmas recomendações do melanoma: Protetor solar todos os dias e evitar contato com o Sol durante os horários em que ele está mais forte.

 

Dermatologia no Rio de Janeiro

Para mais informações sobre o cuidado com a sua pele, conheça o departamento de dermatologia da Proattiva, clínica médica no Méier.

DEIXE SEU COMENTÁRIO:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *