Ginecologia

O nome “Ginecologia” significa, literalmente, o “estudo da mulher”. Ela vem da junção das palavras gregas gyne e logos, que significam “mulher” e “estudo”, respectivamente.

A saúde da mulher possui importantes particularidades. Não se trata apenas de prevenção e tratamento de doenças: é preciso também estar atento às características clínicas da paciente, seu estilo de vida e em qual fase da vida ela está. A Ginecologia trata de todas as doenças relacionadas ao sistema reprodutor feminino, ou seja, envolvendo útero, vagina, ovários e mamas.

Entre os principais problemas tratados pelos ginecologistas estão:

Cânceres Ginecológicos

Os cânceres mais comuns são o do colo de útero e mama, e ainda os de vulva, ovário e vagina (estes menos frequentes). O câncer ginecológico relaciona-se cada vez mais aos hábitos de vida da mulher, como o uso de anticoncepcionais, gravidez em idade avançada, fumo, dieta pobre em nutrientes. Falta de higiene pessoal e de acompanhamento médico básico também contribuem.

Incontinência Urinária

A incontinência urinária, ou perda involuntária de urina, é uma das queixas mais frequentes nos ambulatórios de Ginecologia, e muitas vezes representa um problema social em função da interferência na qualidade de vida, higiene pessoal e atividade sexual. Cerca de metade das mulheres já vivenciaram um episódio de incontinência urinária ao longo da vida. Apesar da prevalência maior entre as mulheres idosas, a incontinência urinária não pode ser encarada como parte do envelhecimento normal das mulheres. Existem alguns fatores de risco, como número de gestações, hipoestrogenismo (climatério), constipação, peso, esforço físico, etc.

Amenorreia (ausência do período menstrual)

A amenorreia pode ser de dois tipos: primária e secundária. A primeira é quando uma menina não menstrua até os 14 anos e não desenvolve caracteres sexuais secundários até os 16 anos, mesmo com desenvolvimento normal; já a segunda acontece quando a mulher menstrua normalmente, mas, em um certo período, passa três ciclos menstruais consecutivos ou seis meses sem apresentação do fluxo.

Dismenorreia (período menstrual doloroso)

Algum mal-estar é comum na véspera do período menstrual, mas quando os sintomas físicos são intensos, é considerado um caso de dismenorreia. Também pode ser de dois tipos: a dismenorreia primária ou constitucional, que está associada à liberação de substâncias produzidas no útero que promovem fortes contrações no músculo uterino, ou a dismenorreia secundária, associada à doença de base como a endometriose ou à presença de um mioma uterino.

Menorragia (grande fluxo menstrual)

Geralmente, a mulher com menorragia possui uma menstruação que dura mais de sete dias, e um sangramento que a faz trocar o absorvente a cada duas horas. A menorragia pode causar anemia, fadiga e falta de ar devido ao intenso sangramento, o que pode causar dificuldades até para a realização de atividades cotidianas.

Infertilidade

É a ausência de gestação após um ano de coito desprotegido numa frequência de 3 a 4 vezes por semana. Dificuldades para engravidar atingem cerca de 15% dos casais e podem acontecer por diversas causas, sendo o fator ovulatório o mais frequente. A idade também é um forte determinante no sucesso reprodutivo. Entretanto, é preciso saber diferenciar infertilidade de esterilidade. Esterilidade é a incapacidade permanente de procriação.

Cistos nos ovários

Cistos nos ovários, ainda que simples, são alterações benignas, associadas aos ciclos menstruais, que não têm relação com câncer na maior parte dos casos. Na verdade, um cisto é uma lesão que pode surgir de várias partes do corpo: trata-se basicamente de uma bolha coberta por uma fina membrana com alguma substância líquida no seu interior.

Mioma Uterino

É um tumor benigno composto basicamente por músculo, que cresce dentro ou fora do útero. Não se sabe a causa, mas ocorre mais frequentemente após os 40 anos. Outros fatores que podem trazer mais risco são predisposição familiar, a obesidade e a origem étnica, pois o problema é muito mais frequente em mulheres negras.

Áreas de atuação

Ginecologia Geral

Área responsável pelo tratamento de doenças benignas no sistema reprodutor.

Ginecologia Oncológica

Trata das doenças malignas no sistema reprodutor, desde o diagnóstico, passando pelo planejamento do tratamento até a realização de cirurgias e acompanhamento dos pacientes.

Uroginecologia

Subespecialidade responsável por tratar alterações urinárias e distopias a elas relacionadas nos órgãos sexuais na mulher.

Ginecologia na Proattiva

Dr. Jayme Augusto Junior
Dra. Fernanda Fortuna