Notícias

25 de outubro de 2017

Qual o melhor método contraceptivo para mim?

A camisinha masculina pode ser o contraceptivo sexual mais comum hoje, mas ele não é o único método para se evitar uma gravidez indesejada, nem o que faz isso com a maior eficácia. A camisinha é o contraceptivo mais completo, pois além de poder evitar a gravidez também é capaz de evitar o contágio de todas as DSTs, Por isso, ela deve ser usada sempre e ser combinada com um dos métodos a seguir para aumentar a eficácia contra uma gravidez indesejada.

Contraceptivos

Existem muitos contraceptivos no mercado hoje em dia, e eles podem ser divididos em duas categorias: de curto e longo prazo.

Contraceptivos de curto prazo

Esses métodos precisam ser utilizados com maior frequência, talvez até diariamente. Aqui, podemos incluir pílula anticoncepcional, adesivo e anel vaginal, e métodos que precisam ser utilizados na hora do sexo, como o diafragma e o capuz cervical.

Pílulas anticoncepcionais

A pílula anticoncepcional, por ser de mais fácil acesso, é um dos contraceptivos mais usados do mundo. Entretanto, pode não ser o método mais indicado, porque funciona liberando uma grande quantidade de hormônio no corpo da mulher, e pode aumentar as chances de eventos cardiovasculares e interferências na libido sexual feminina.
Muitas vezes, a mulher começa a tomar anticoncepcionais antes mesmo do início de sua vida sexual e continua, como método contraceptivo, quando ela começa. O indicado é sempre se consultar com um ginecologista, só ele pode dizer se a pílula é o melhor método para você e qual, da grande variedade encontrada no mercado, usar.

Adesivo Hormonal

O adesivo hormonal é colocado sob a pele semanalmente por 21 dias e libera doses de estrogênio e progestagênio aos poucos no corpo da mulher. A grande desvantagem aqui é que é preciso ficar com o adesivo durante todo o tempo nas três semanas, mas pelo lado positivo é um dos métodos que menos oferece efeitos colaterais.

Anel Vaginal

O anel vaginal também utiliza hormônios para impedir a gravidez, aqui eles são absorvidos pela mucosa vaginal e impedem a ovulação. É usado como o adesivo: três semanas direto com uma de descanso.
A própria mulher pode inserir o anel na vagina, ele não interfere nas relações sexuais e apresenta poucos efeitos colaterais. Nos primeiros dias, é imprescindível o uso da camisinha, pois os efeitos contraceptivos podem não estar 100% ativos.

Diafragma

Nada mais é do que um anel que é introduzido na vagina e forma uma espécie de tampa do colo do útero que impede a passagem do espermatozoide. O diafragma dá um pouco mais de trabalho, pois deve ser colocado entre 15 e 30 minutos antes do ato sexual e retirado algumas horas depois, mas o mesmo pode ser utilizado diversas vezes durante dois a três anos.
Existem tamanhos diferentes. Por isso, é importante se consultar com um ginecologista, pois só ele é capaz de dizer qual tamanho você deve usar. O diafragma também é capaz de prevenir contra algumas DSTs.

Capuz Cervical

O capuz cervical é bem parecido com o diafragma. Ele é colocado pela própria mulher dentro da vagina, e bloqueia a entrada do espermatozoide no útero. O capuz é feito de silicone ou látex macio e é menor do que o diafragma, mas também precisa ser indicado por um ginecologista por causa dos diversos tamanhos disponíveis.
Também é preciso colocar minutos antes da atividade sexual e retirá-lo algumas horas depois, por isso requer bastante atenção e cuidado.

Contraceptivos de longo prazo

Os contraceptivos de longo prazo são administrados com menor frequência e pode durar por meses e até anos. Nessa categoria, estão o contraceptivo injetável trimestral, o implante subcutâneo e o DIU de cobre ou hormonal.

Contraceptivo Injetável Trimestral

O contraceptivo injetável trimestral é uma injeção com progesterona sintética e, como o próprio nome já diz, tomada a cada três meses nos braços ou no bumbum. A maior vantagem é que é um dos métodos mais eficazes, mas só pode ser aplicada em uma farmácia e com receita médica.
Em caso de interrupção do método, pode demorar cerca de nove meses para a fertilidade da mulher voltar ao normal.

Implante subcutâneo

Uma das formas mais modernas, o implante subcutâneo é um contraceptivo que funciona graças a uma cápsula com hormônios que é inserida sob a pele do braço. Essa cápsula pode funcionar por até três anos e é composta apenas por progestogênio e, por isso, é uma boa substituta da pílula. Com a remoção da cápsula, a capacidade fértil da mulher retorna ao normal rapidamente.

DIU

O DIU de cobre e o DIU hormonal são muito semelhantes, ambos são feitos em plástico com o formato da letra T e são inseridos dentro do útero por um médico – a diferença é que eles previnem a gravidez de maneiras diferentes.
O de cobre é tóxico para o espermatozoide e não o deixa sobreviver no colo do útero, no útero e nas trompas de falópio. O DIU hormonal libera uma pequena dose de hormônio no útero, o que faz com que o muco cervical fique mais espesso, dificultando a entrada do espermatozoide no útero.
Ambos podem durar até cinco anos ou serem removidos a qualquer momento, por um médico. Caso você opte pelo DIU, é bom se preparar para mudanças na sua menstruação, o de cobre aumenta o nível de sangramento e o hormonal diminui.

Qual método contraceptivo utilizar?

Mulher segurando duas cartelas de comprimidos em frente a um computador | Qual o melhor método contraceptivo para mim?Essa pergunta só um ginecologista pode responder após uma análise do seu caso. Se você quer descobrir um método que melhor se encaixe com a sua rotina, ou quer deixar de usar as pílulas anticoncepcionais, por exemplo, se consulte com um ginecologista e descubra a melhor opção para você não se surpreender com uma gravidez indesejada.
Na Proattiva, clínica médica no Méier, o foco é sempre o bem-estar do paciente. Conheça nosso departamento de ginecologia e agende a sua consulta. Vai ser um prazer ajudar você a encontrar o melhor método contraceptivo.

DEIXE SEU COMENTÁRIO:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *